Para quem acompanhou a trajetória da Revista Playboy ao longo de seus 62 anos de existência o ano de 2016 vai marcar o fim da Playboy como a conhecemos,  as fotos de mulheres nuas não serão mais publicadas na Revista. As imagens continuarão provocantes segundo o o diretor da Playboy Scott Flanders.

A busca por uma nova imagem da Revista já havia sido sentida pelo público desde 2014, ano em que a revista removeu todo o conteúdo de nudez de seu site e a decisão provou ter sido o grande acerto da equipe nos últimos anos. Com isso o site da Playboy que antes contava com 4 milhões de visitas por mês passou a ter 16 milhões de visitas mensais.

Com a remoção do conteúdo nu de suas páginas impressas, a Revista Playboy que hoje só pode ser comercializada para o público com idade superior a 18 anos espera poder vender seu conteúdo para o público com 13 anos ou mais e também entrar de vez nas plataformas sociais. A decisão foi anunciada após uma longa reunião entre o fundador da revista, Hugh Hefner e sua equipe. Com a internet e os sites pornográficos fornecendo nudez dos mais variados ângulos e de forma totalmente gratuita a Revista Playboy viu seus números despencarem e as 5,6 milhões de cópias que antes eram comercializadas anualmente hoje não somam nem 800 mil exemplares vendidos durante o mesmo período.

A remoção da nudez pode trazer também outro benefício a revista já que para posar nua as modelos famosas costumam exigir cachês milionários. Aumentar a faixa etária de leitores, ampliar vendas e de quebra reduzir os custos foi a alternativa encontrada pela equipe para os novos tempos. Por hora a medida atinge apenas a versão americana da revista e os mercados locais devem ter autonomia para decidir se aderem ou não a mesma política de vendas.